A História de Herivelto Martins e Dalva de Oliveira

Curiosidades do Mundo da Música

Herivelto Martins conheceu Dalva de Oliveira em 1935 no Cine Pátria no Rio de Janeiro, quando passaram a cantar fazendo um dueto. Começaram a namorar e, em 1936, quando resolveram morar juntos, e o “casamento” que foi oficializado em 1937 num ritual de umbanda.




Desse casamento, nasceram o, hoje cantor, Pery Ribeiro e Ubiratan de Oliveira Martins. O casamento conturbado durou até 1947, quando as constantes brigas e traições da parte dele deram fim ao casamento.

Mesmo casado, passava as noites fora de casa, bêbado e com prostitutas. Em 1949, depois da separação oficial do casal e o fim da primeira formação do Trio de Ouro, Herivelto e Dalva iniciaram uma discussão, inclusive através das composições que gravaram, bastante explorada pelos jornais e revistas da época.

Depois de uma pequena turnê na Venezuela, Herivelto saiu de casa, e tirou de Dalva a guarda dos filhos, e os manda para um internato. Passou então  a publicar em todos os jornais que Dalva era prostituta e promove orgias dentro de sua casa, o que a levou a fazer as canções “de guerra” um para o outro. Ele, como compositor que ara, compunhas as músicas difamatórias contra Dalva. Ela, como apenas cantora, pedia aos colegas compositores que fizessem as músicas respostas.

Herivelto já anunciava a separação quando compôs “Caminhemos” gravada por Francisco Alves. No mesmo ano fez pra Dalva “Segredo”. Vamos às letras de Herivelto:

CAMINHEMOS

Não, eu não posso lembrar que te amei
Não, eu preciso esquecer que sofri
Faça de conta que o tempo passou
E que tudo entre nós terminou
E que a vida não continuou pra nós dois
Caminhemos, talvez nos vejamos depois

Vida comprida, estrada alongada
Parto à procura de alguém
Ou à procura de nada…
Vou indo, caminhando
Sem saber onde chegar
Quem sabe na volta
Te encontre no mesmo lugar

SEGREDO

Teu mal é comentar o passado
Ninguém precisa saber o que houve entre nós dois
O peixe é pro fundo das redes, segredo é pra quatro paredes
Não deixe que males pequeninos
Venham transformar os nossos destinos
O peixe é pro fundo das redes
Segredo é pra quatro paredes
Primeiro é preciso julgar
Pra depois condenar
Quando o infortúnio nos bate à porta
O amor nos foge pela janela
A felicidade para nós está morta
E não se pode viver sem ela
Para o nosso mal não há remédio coração

Dalva, rebate gravando “Tudo Acabado” composta pelos amigos  J. Piedade e Oswaldo Martins.

TUDO ACABADO
Composição: J. Piedade / Osvaldo Martins

Tudo Acabado Entre Nós, Já Não Há Mais Nada
Tudo Acabado Entre Nós Hoje De Madrugada
Você Chorou e Eu Chorei, Você Partiu e Eu Fiquei
Se Você Volta Outra Vez, Eu Não Sei

Nosso Apartamento Agora Vive a Meia Luz
Nosso Apartamento Agora Já Não Me Seduz
Todo Egoismo Veio De Nós Dois
Destruimos Hoje o Que Podia Ser Depois

 

 

Compartilhe com os amigosShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Pin on Pinterest
Pinterest

Uma resposta para “A História de Herivelto Martins e Dalva de Oliveira”

  1. Agradeço imensamente a todos que deixam comentários e elogios no blog. Peço porém a quem deseja alguma resposta mais rápida entrar em contato por e-mail usando a aba Contato, pois devido a quantidade de comentários nos diversos artigos do blog, muitas vezes pode demorar até que eu chegue ao seu comentário.
    Muito obrigado.

    Thank you so much to all who leave comments and compliments on the blog. But I would ask anyone who wants a quicker response to contact us by email using the Contact tab, because due to the amount of comments in the various articles in the blog, it can often take until I get to your comment.
    Thank you very much.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *