Vote no Poste

A espirituosidade do cearense transpõe fronteiras. Veja que, até quando fala sério, o cearense faz piada.  Quando a, então prefeita de Fortaleza, Luiziane Lins falou em uma entrevista que se o presidente Lula apoiasse um POSTE para qualquer cargo político o tal poste seria eleito pelo povo, não sabia que essa brincadeira passaria a fazer parte da vida pública mundial relacionada à política.

Naquela época o Presidente Lula estava em alta com o seu populismo acima da média, não só no Brasil, mas no mundo inteiro. Essa história do Lula eleger um POSTE correu mundo e, assim como, a frase “Senta a Pua” levada por cearenses para a Força Aérea Brasileira para a Itália na Segunda Guerra Mundial contra o Nazismo.

Hoje a imprensa mundial se refere ao Presidente da Argentina, Alberto Fernandéz como o “poste” de Cristina Kirchner, o presidente quase eleito dos Estados Unidos como o “poste” do Obama e o presidente da Bolívia Luis Arce como o “poste” do Evo Morales.

O cearense é assim. Na última copa do mundo (2018), em plena ocorrência da operação “Lava a Jato”, como é normal em todos os jogos do Brasil, o hino ser apresentado somente em parte, pela sua extensão, no primeiro jogo do Brasil no Estádio Castelão em Fortaleza foi apresentado em sua totalidade.

Explico. Quando os jogadores dos Brasil e México entram no gramado do Castelão se deparam com o estádio lotado com faixas que expressão o sentimento do cearense pela situação atual e apoio à operação “Lava a Jato” da Polícia Federal com dizeres de “Não somos contra a Seleção, mas à corrupção”.

Os alto falantes do estádio então começam a entoar o Hino Nacional. O povo cantando o hino em plenos pulmões. Poucos segundos depois da introdução os alto falantes encerram a execução do hino, porém, o público continua a cantar o hino e, em plenos pulmões ainda mais altos, cantam o hino até o final.

O mundo inteiro assiste essa demonstração de patriotismo pela televisão e os brasileiros de outros estados emocionam-se de tal forma que, depois daquele jogo em Fortaleza, a cena iria se repetir em todos os jogos da seleção brasileira em outros estados até o final da copa do mundo de 2018.

Para o cearense não importava se o Brasil seria campeão ou não. Os olhos estavam voltados para algo muito mais importante que o futebol. Calma! Estou falando dos cearenses conscientes social e politicamente antenados. Ignorantes também habitam as terras do Ceará moleque.

O Ceará que fez e faz diferença para o desenvolvimento e a história do nosso querido Brasil. Com a magnitude do filósofo e jurista Clóvis Beviláqua que criou o primeiro, e ainda na maior parte em vigor, Código Civil Brasileiro; na valentia do grande Marechal General Tibúrcio e na maestria do Quintino Cunha.

Sem esquecer tantos outros cearenses ilustres que fizeram o Brasil a fora em todas as áreas, seja na música (como Alberto NepomucenoFagnerBelchior , Ednardo e outros), na literatura (como José de Alencar, Raquel de Queiróz e outros), na indústria (como Elano Paula, Edson Queiroz e outros), comércio, política (como Castelo Branco, Miguel Arraes e outros) e nas artes em geral (como Chico Anysio, Renato Aragão e outros).

O cearense tem um “que” de espiritualidade (como Bezerra de Menezes, Peixotinho e outros) para criar. Para fazer história. Para deixar sua marca seja por onde passe.

Compartilhe com os amigosShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Pin on Pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta