Festas Juninas

No Brasil,  principalmente no nordeste, as festas juninas são tradicionalmente comemorado durante todo o mês de junho. A comemoração acontece na véspera do dia do santo. No dia 13 comemora-se o dia de Santo Antônio (de Pádua), dia 24 é o dia festejado à São João (Evangelista) e, finalizando, no dia 29 é a comemoração à São Pedro e São Paulo.

As comemorações são regadas a muita comida e bebida típicas feitas à base da produção agrícola da região, tendo como principais ingredientes o milho e a mandioca. A dança, simpatias, fogos e principalmente a fogueira.

É imprescindível ressaltar que o imaginário popular referente a esses santos, principalmente a São João, dá a cara e o tom das festas, como, por exemplo, a fogueira. É em torno da fogueira, que são feitas as simpatias, dança-se, comidas, etc. A fogueira é símbolo de São João Batista. Por isso, a ocasião mais propícia para fazer a fogueira é na virada do dia 23 para o dia 24.

ORIGEM:

As festas juninas no Brasil remonta ao século XVI. Eram tradições populares na Península Ibérica (Portugal e Espanha). Eram, antes, festas pagãs onde os agricultores festejavam para agradecer ou pedir uma boa colheita. A igreja católica então, apropriou-se da tradição atribuindo os festejos aos santos católicos. Por isso, foram trazidas para cá pelos portugueses durante a colonização, assim como muitas outras tradições. Quando introduzida no Brasil, a festa era conhecida como festa joanina, em referência a São João, mas, ao longo dos anos, teve o nome alterado para festa junina, em referência ao mês no qual ocorre, junho.

Inicialmente, a festa possuía uma forte tom religioso. Conotação essa que se perdeu em parte, uma vez que é vista por muitos mais como uma festividade popular do que religiosa. Além disso, a evolução da festa junina no Brasil que era associada a símbolos típicos das zonas rurais, foi perdendo a sua tradição, principalmente nas capitais,
assemelhando-se mais ao carnaval do que propriamente aos tradicionais festejos das zonas rurais.

COMIDAS TÍPICAS:

Durante as festas juninas no Brasil, são realizadas, além das danças típicas, como as quadrilhas, também há produção de inúmeras comidas à base de milho e amendoim, como canjica, pamonha, pé de moleque, além de
bebidas como o aluá, feito com a mandioca, e o quentão.

TRADIÇÕES:

As festas juninas brasileiras podem ser divididas em dois tipos distintos: as festas da Região Nordeste e as festas do Brasil caipira, típicas dos estados de São Paulo, Paraná (norte), Minas Gerais (sobretudo na parte sul) e da Região Centro-Oeste.

No Nordeste brasileiro, pequenas ou grandes festas reúnem toda a comunidade e muitos turistas, com fartura de comida, quadrilhas, casamento matuto e forró. É comum os participantes das festas se vestirem de matuto. Os homens com camisa quadriculada, calça remendada com panos coloridos, e chapéu de palha, e as mulheres com vestido colorido de chita e chapéu de palha. Também se mantém a tradição da realização de quermesses e danças de quadrilha em torno de fogueiras.

Os balões são tradicionais, embora atualmente existam restrições por questões de segurança. Tradicionalmente, a soltura de balões indica o início das comemorações.

A fogueira é a parte principal do cenário da festa. De origem pagã, ela simboliza a proteção contra os maus espíritos, na versão católica simboliza a fogueira acessa para avisar à Maria do nascimento de João Batista. A tradição foi mantida pelos católicos, que dedicaram uma forma de fogueira diferente para cada santo: a quadrada é de Santo Antônio; a redonda de São João; e a triangular de São Pedro.

As brincadeiras dão o tom divertido das festas como a cadeia, pau de sebo, pescaria, correio-elegante, saltar a fogueira, argola, entre outros, não podem faltar. Estão incluídas também as simpatias – que acabam carregando um pouco do tom de divertimento.

O relacionamento entre os devotos e os santos juninos, principalmente Santo Antônio e São João, é quase familiar. Cheio de intimidades, chega a ser irreverente, debochado e quase obsceno. Esse carácter fica bastante evidente quando se entra em contato com as simpatias, sortes, adivinhas e acalantos dedicados a esses santos.

“Confessei-me a Santo Antônio,
confessei que estava amando.
Ele deu-me a penitência
que fosse continuando.”

Os objetos utilizados nas simpatias e adivinhações devem ser virgens, ou seja, estar sendo usados pela primeira vez. Se não for virgem, nada de a simpatia funcionar.

Simpatias feitas para Santo Antônio:

– Moças solteiras, desejosas de se casar:
Colocam um figurino do santo de cabeça de cabeça para baixo atrás da porta ou dentro do poço ou enterram-no até o pescoço. Fazem o pedido e, enquanto não são atendidas, lá fica a imagem de cabeça para baixo.
– Para conseguir namorado ou marido:
Basta amarrar uma fita vermelha e outra branca no braço da imagem de Santo Antônio, fazendo a ele o pedido: rezar um pai-nosso e uma salve-rainha, pendurar a imagem de cabeça para baixo sob a cama. ela só deve ser desvirada quando a pessoa alcançar o pedido.

No dia 13, é comum ir à igreja para receber o “pãozinho de Santo Antônio”, que é dado gratuitamente pelos frades. Em troca, os fiéis costumam deixar ofertas. O pão, que é bento, deve ser deixado junto aos demais mantimentos para que estes não faltem jamais.

Compartilhe com os amigosShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Pin on Pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta